QUEM SOU ESSA? - UOL Blog
QUEM SOU ESSA?


AOS VISITANTES

Nos comentários, por favor, o teu email... assim receberá o novo endereço de minha casa de palavras...

esta se encerra hoje. cheia de gratidão, melancolia e ensinamentos...

mas segue. que assim É que é...

Agora vivo

e escrevo

ao mesmo tempo...

 

abraço vocês!!!!



Escrito por CORUJITA às 14:41:48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


ondas 2

UM HELP

a verdade é que ajuda

é compreensão

é colo

é olhar, dividir

dar as mãos.

ou talvez nada disso... apenas:

Disposição para se dividir silêncio.

mas ok.

todo mundo tem estoque de help.

uma hora

acaba.

é pra não esquecer :

Nasci sozinha.

 

PORTARIA 3

Choro

Dúvida

Dor

Laços.

Amor

MUNDO.

 

CAMA DE GATO

Tudo

e

Nada.

 

MENINO BONITO

Não me espere porque não chego.

Não me entregue por que não carrego.

Você já sabia.

Eu também.

E só te escrevo para lembrar

Que desejamos, juntos, o melhor de nós

Pro mundo.



Escrito por CORUJITA às 02:14:56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


CARTA 3- TRECHO 1 (ou: trecho para o livro. ou: para ler até o fim)

"L.,

...foi assim. hoje senti no meu perfume uma parte de você; ele também era seu. ele também era cheiro seu em mim. e agradeço.

 foi assim . ainda não sei como consegui transformar raiva em ausência. mas foi assim.

a vida já andou um tanto pra mim e certamente pra ti...Já nos esvaziamos  e nos tornamos cheios de novos encontros.... E aí estás com novo laço, firme, forte e cheio de belas notícias.

mas foi assim: gratidão.

talvez por que esteja eu  ainda com o rótulo nas mãos sem coragem de colá-lo em ti, em mim ou  na nossa história...

apesar da sua capacidade incrível -hoje soube - de transformar o ouro do encontro em cinzas de um descompasso...

apesar de me fazer chegar aos ouvidos a desimportância dos nossos detalhes, de nossas frases,  das nossas canções , de nossos nomes...

(já que, depois de nós, em poucos dias, já usava as mesmas armas  e os mesmos versos da mesma trilha sonora pra encostar em  outras bocas... (discutir passado pode ser atraso, mas nesse caso, é questão de crença em nós mesmos...)

apesar de  não saber mais onde moram seus olhos e nem quais os desejos do teu coração...

apesar da vida corrida que não pára pra gente , não pára pra dor, não pára pro vôo, não pára pra nada... ( somos meia escolha.)

apesar de hoje não desejar te encontrar (mas se bem conheço nossa historia , duvido que a vida deixe!)

por que não terei nada em  meus olhos nem em meu verbo pra te oferecer...

por que não quero achar graça do que ainda acho sério... mas nem tanto...

apesar de hoje desejar a distância mais sincera que é pra eu não duvidar que já foi grandeza, que já foi  encontro...

que já foi aquela enorme onda de carinho, nunca antes sentida por mim, que invadia nossas horas e desejos e gozos, e conversas e beijos infinitos...

que já foi gota gigante de afeto e compreensão que molhava todo nosso silêncio ...

que já foi aquela conversa de peles trêmulas (que não duvido :  é capaz de ser, até hoje...)

que já foi troca...

a verdade é que hoje senti, depois de uma longa pausa de nós aqui dentro, depois de um pequeno grande hiato ,

 que não sei mais com que parte de ti eu converso...

então só me resta dividir com aquela que conheci,

com aquela que assustadoramente me pareceu tão familiar desde o primeiro momento...

é dessa parte ,  cheia de ansiedades e molequices, que eu gosto, confio e me emociono.

é com essa  parte,  que é  tão clara e tímida no olhar, que não precisa maquiar lágrimas nem tatuagens...

que ri comigo de detalhes simples, e sem filtro me fala de amor...

é com essa parte, com essa, que eu conversei a partir de nosso primeiro segundo e converso agora.

por que é   preciso poder acreditar em ti e nos  nossos detalhes.

(...)

 e só não duvido do que acreditei porque teus olhos de paixão ainda são meu guia...

 e nossos corações batendo juntos feito tamborim nunca conseguiu virar vento na minha memória...

 É  isso, amordo, meu coração. É isso.

agora sumimos... 

agora minha alma faz-se de surda e cega até onde é possível...

(por que  já entendo que  o amor pode ser  a melhor parte do meu dia e não quero esquecer, nem vc, me parece)

agora meu coração faz-se de desentedido e talvez já seja parte prático, parte pedra... talvez seja duro, talvez seja talvez...

Talvez continue verso...

Mas  é que me surpreendo, há dias, com um dos maiores sentimentos de gratidão que já senti nessa estrada minha...

Pela vida colorida vivida, pelo amor que saía pelos nossos  poros, e também pela invasão das piores dores e angústias

e agora também pela oportunidade de botar os pés no chão....(Por que só posso conhecer alguém   pelas suas atitudes. esse é o termômetro. )mas sem definir mocinho, bandido ou vilão.

Apenas: é. É. Somos.

E foi assim: há dias, estou vestida de gratidão. assim....

Talvez pela atmosfera de fins de ciclos e por lembrar de ti comigo no ínício deles... (tantas coisas quis dividir sem poder ou conseguir, tanto desconforto nos esbarrões e abraços pela metade...)

Talvez por que hoje me vi ,  de longe, torcendo para que saiba lidar com tuas conquistas... com calma , força e sabedoria...

Talvez por que, de fato , tenha aprendido a transformar coisa torta em ensinamento

e coisa seca  em boas doses de realidade ou em pontos pra minha intuição...

Ou talvez, sim,  por que ainda sinta um fio qualquer sustentando o encontro de nosso olhar de afeto...

Pode ser, coisa linda. Pode ser que seja isso.

 Então, quero te contar:

Todo meu ser agradece, muito e sempre, por tudo, tudo, que sentiu e  aprendeu

com a experiência de termos nos amado tanto.

G."

março / abril de 2010- fim de ciclos, endereços e abraços...



Escrito por CORUJITA às 02:02:32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


era uma vez a certeza que sempre foi dúvida.

ela nunca morreu inteira.

era metade.



Escrito por CORUJITA às 04:51:39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fim.

tudo dito.

tudoimaginado, dito.

tudoimaginado, fato.

tudoimaginado, verbo.

nada de força pra ser encontro.

se quase sempre um desencontro foi.

e agora o maior e mais importante de todos:

desencontro-fim.

o mais famoso

o mais polêmico

o mais esperado

o mais temido e desejado:

fim.

e no entanto...

o mais aliviante caminho

a mais aliviante notícia...

nosso final.

já não mais te conheço

e ainda não acredito que todo fim é recomeço.

mas começo a sentir que sim....

começo a sentir que sim...

começo...

 



Escrito por CORUJITA às 04:47:17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"(...) foram naqueles segundos -que alguns minutos viraram- que diante do fiapo daquela amarela lua,  pude sentir-te perto como cumplicidade, como olhos de troca e como amor conhecido , puro, como nossas antigas vontades. Novamente veio aquilo que era paz sem ser imagem morna ou apenas divertida e seca (...) A parte feia ou quebrada de nós, deu passagem para a alegria do céu em receber minhas memórias. (...)O cenário, dentro de poucos dias - que alguns meses virarão-  será outro. Andarei por outros cantos e ruas... Estarei bem longe dos nossos pertos.  E a amarela lua continuará lá, regendo talvez algumas lembranças a mais. E a amarela lua continuará lá, trazendo talvez a força dos ciclos. Não importando mais o que estamos vivendo, a amarela lua será cenário fixo... E continuará lá, escondendo alguma parte escura de nós. (...)
Contar isso a ti , vem depois da promessa  de que te deixaria saber quando  tua imagem e teu amor invadissem meus olhos ou quando nosso jardim chegasse até meu coração. Ou talvez, e simplesmente, conto isso a ti para dizer - te que morava um encontro nosso, atrás daquele fiapo de noite."


(Branca G. Marques em "Aquela nossa Verdade", 2003.)
 

 

 



Escrito por CORUJITA às 17:42:04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A MOÇA em tempos cinza.

a moça não aguentava mais. mas aguentava. a moça respirava pouco por que dor invadia cada parte daquele corpo pequeno apesar de grande. pelos poros o suor de tanta lágrima. pelos olhos as lágrimas de tanto suor. sua cama bagunçada de notícias. seu travasseiro guarda-dor. suas cobertas com cheiros de dias e dias e dias... assim: onde a esperança parecia respirar por poucos segundos. onde era afundada  sem ar no fundo de um mar escuro logo após um segundo de vento. a moça quando pensa que vai respirar o céu é empurrada novamente para o fundo do mar escuro. a moça está exausta. a moça está em estado sem nome por que "confuso" é pouco. confuso é bem pouco. "antes fosse", ela pensa. a moça está pedindo socorro. está quieta e está gritando. a moça não sabe que remédio toma para curar os socos, tapas, desvios, facadas, banhos de água fria que toma todos os dias. ou dia sim, dia não. a moça quer sossego, amor e desejo de delícias. quer delícias. a moça está cansada. a moça acredita em quase nada, já. a moça chora até nenhuma comida entrar.   a moça tem as pernas fracas apesar da saúde que não a abandona. a moça agradece. a moça pensa que entendeu e logo percebe que é barulho por dentro. a moça já não sabe mais se ouvir, já não sabe mais dançar, já não sabe mais abraçar. a moça já duvida da fraternidade, do encontro, do afeto, do trabalho, do amor. a moça duvida. a moça precisa todo dia olhar para si mesma. a moça dói. a moça não desiste. a moça entende que há o caminho da morte como saída. mas a moça segue. por que escolhe chorar com força e com essa força ser força. para algum depois que certamente menos dor nos olhos, chegará. a moça não aguentava mais. mas aguentava.



Escrito por CORUJITA às 02:42:42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


mundo louco.

rouco.

fome grita. casa cai. morte venta..

desligo a TV.



Escrito por CORUJITA às 02:07:16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu humor



Histórico


    Votação
    Dê uma nota para
    meu blog



    Outros sites
     tati
     cris
     peça ensaio sobre a cegueira
     eu compro esse barulho
     ultrapassados inéditos - luiza sarmento.
     clarice
     moma
     virgínia
     bão de ouvir 1
     keep walking
     bão de ouvir 2
     strawberry fields
     para francisco
     chá e bolachas