QUEM SOU ESSA? - UOL Blog
QUEM SOU ESSA?


era uma vez a certeza que sempre foi dúvida.

ela nunca morreu inteira.

era metade.



Escrito por CORUJITA às 04:51:39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fim.

tudo dito.

tudoimaginado, dito.

tudoimaginado, fato.

tudoimaginado, verbo.

nada de força pra ser encontro.

se quase sempre um desencontro foi.

e agora o maior e mais importante de todos:

desencontro-fim.

o mais famoso

o mais polêmico

o mais esperado

o mais temido e desejado:

fim.

e no entanto...

o mais aliviante caminho

a mais aliviante notícia...

nosso final.

já não mais te conheço

e ainda não acredito que todo fim é recomeço.

mas começo a sentir que sim....

começo a sentir que sim...

começo...

 



Escrito por CORUJITA às 04:47:17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


"(...) foram naqueles segundos -que alguns minutos viraram- que diante do fiapo daquela amarela lua,  pude sentir-te perto como cumplicidade, como olhos de troca e como amor conhecido , puro, como nossas antigas vontades. Novamente veio aquilo que era paz sem ser imagem morna ou apenas divertida e seca (...) A parte feia ou quebrada de nós, deu passagem para a alegria do céu em receber minhas memórias. (...)O cenário, dentro de poucos dias - que alguns meses virarão-  será outro. Andarei por outros cantos e ruas... Estarei bem longe dos nossos pertos.  E a amarela lua continuará lá, regendo talvez algumas lembranças a mais. E a amarela lua continuará lá, trazendo talvez a força dos ciclos. Não importando mais o que estamos vivendo, a amarela lua será cenário fixo... E continuará lá, escondendo alguma parte escura de nós. (...)
Contar isso a ti , vem depois da promessa  de que te deixaria saber quando  tua imagem e teu amor invadissem meus olhos ou quando nosso jardim chegasse até meu coração. Ou talvez, e simplesmente, conto isso a ti para dizer - te que morava um encontro nosso, atrás daquele fiapo de noite."


(Branca G. Marques em "Aquela nossa Verdade", 2003.)
 

 

 



Escrito por CORUJITA às 17:42:04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A MOÇA em tempos cinza.

a moça não aguentava mais. mas aguentava. a moça respirava pouco por que dor invadia cada parte daquele corpo pequeno apesar de grande. pelos poros o suor de tanta lágrima. pelos olhos as lágrimas de tanto suor. sua cama bagunçada de notícias. seu travasseiro guarda-dor. suas cobertas com cheiros de dias e dias e dias... assim: onde a esperança parecia respirar por poucos segundos. onde era afundada  sem ar no fundo de um mar escuro logo após um segundo de vento. a moça quando pensa que vai respirar o céu é empurrada novamente para o fundo do mar escuro. a moça está exausta. a moça está em estado sem nome por que "confuso" é pouco. confuso é bem pouco. "antes fosse", ela pensa. a moça está pedindo socorro. está quieta e está gritando. a moça não sabe que remédio toma para curar os socos, tapas, desvios, facadas, banhos de água fria que toma todos os dias. ou dia sim, dia não. a moça quer sossego, amor e desejo de delícias. quer delícias. a moça está cansada. a moça acredita em quase nada, já. a moça chora até nenhuma comida entrar.   a moça tem as pernas fracas apesar da saúde que não a abandona. a moça agradece. a moça pensa que entendeu e logo percebe que é barulho por dentro. a moça já não sabe mais se ouvir, já não sabe mais dançar, já não sabe mais abraçar. a moça já duvida da fraternidade, do encontro, do afeto, do trabalho, do amor. a moça duvida. a moça precisa todo dia olhar para si mesma. a moça dói. a moça não desiste. a moça entende que há o caminho da morte como saída. mas a moça segue. por que escolhe chorar com força e com essa força ser força. para algum depois que certamente menos dor nos olhos, chegará. a moça não aguentava mais. mas aguentava.



Escrito por CORUJITA às 02:42:42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


mundo louco.

rouco.

fome grita. casa cai. morte venta..

desligo a TV.



Escrito por CORUJITA às 02:07:16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


ESSA NÃO É PRA BOI DORMIR

Era uma vez uma princesa (linda)

Era uma vez um príncipe (encantado)

Eles se conheceram e juntos ficaram...

Suas famílias aplaudiam e acreditavam na felicidade deles

O povo aplaudia e acreditava na felicidade deles

Eles mesmos aplaudiam e acreditavam na felicidade deles

E por isso foram.

Felizes.

Para sempre.

FIM.

 (Eu aplaudi e acreditei na felicidade deles).



Escrito por CORUJITA às 02:05:08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


CHEGA.

queria dar nome para  a liberdade que invadiu o peito depois de tanto lagrimar cinza...

mas ela não tem nome mesmo.

não se classifica dentro nem fora.

é coisa de emocionar  cores,

amar o amor,

sambar os dias

e abraçar o sol...

DE BRAÇOS ABERTOS!



Escrito por CORUJITA às 19:19:09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AI.

Hoje ouvi nossa canção ao vivo

e meu corpo e olhos 

não deixaram de lembrar da gente.

no banheiro as lágri-minhas.

no coração, as nossas cenas.

Você, depois de tanto,

ainda me brota poema.



Escrito por CORUJITA às 19:07:17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SIM

 

" Na verdade as pessoas sempre se apaixonaram por você. Essa é a verdade. Você é discreta, misteriosa, engraçada, inteligente, sensível e  bonita pra caramba..."

desta vez ela aceita.

sem receio, sem palavras.

e  sem  esconder seus  olhos.

vive.



Escrito por CORUJITA às 19:03:36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu humor



Histórico


    Votação
    Dê uma nota para
    meu blog



    Outros sites
     tati
     cris
     peça ensaio sobre a cegueira
     eu compro esse barulho
     ultrapassados inéditos - luiza sarmento.
     clarice
     moma
     virgínia
     bão de ouvir 1
     keep walking
     bão de ouvir 2
     strawberry fields
     para francisco
     chá e bolachas